O Novo Homem

"Não tenho medo da morte. Antes tenho medo da minha mente"

segunda-feira, agosto 07, 2006

"Se o Tempo está a ser criado algures, esse algures é a tua mente."

Perco-me na imensidão do tempo. O espaço nada me diz, nada me revela de especial. Demoro a reencontrar-me. E respiro fundo. Sei que Deus não está aqui, sei que há muito tempo que não está aqui. Sei que existe, mas não está aqui. Deixou-me todo este Mundo para explorar. Para descobrir. Para rir e chorar. Para respirar e sufocar. Para dormir e acordar.
Mas Deus? Deus não está aqui. Está sim, para lá desta cortina de fumo escuro, deste manto negro que me envolve mas que não me cobre.

A minha mente desilude-se. Pergunta-me “porquê?”. E tento explicar-lhe que nada disto é real. Que a realidade não está aqui, que está para lá do véu. Que tudo isto não passa de um enorme teatro. Mas de nada serve a explicação. A mente foi feita para perguntar e explicar o que a rodeia. Não para aceitar grandezas maiores que ela. Sei que não sou a minha mente. Pouco tenho a ver com ela. E por isso, escolho não ligar às perguntas.

Por fim, resta-me continuar. A trilhar um caminho que às vezes julgo não ser meu. A conhecer espaços que nada me dizem. A olhar para pessoas sem conseguir ver gente. A esperar por um tempo que há-de vir.
Sinto que Deus está longe. Mas peço-lhe para me aceitar de volta. Quero sair daqui. Quero voltar à Origem.